[Semana STCBM] Política e Marillion

[Nota: Problemas com a internet de casa e outras coisas me impediram de fazer a semana inteira passada. De qualquer maneira, ainda tenho 2 textos para publicar, que saem entre hoje e amanhã]

“Gaza” já está gerando algumas discussões nos foruns da banda, por seu pesado conteúdo político. Apesar de todas as tentativas (incluindo justificativa no encarte do disco), a letra do Steve Hogarth é bem engajada na causa árabe. Sem julgamentos, eu até tendo a concordar com esse engajamento.

Algumas pessoas se mostram espantadas com um posicionamento político tão forte em uma letra da banda. Porém, entretanto, contudo, não é a primeira vez que a banda usa as letras como mensagens de protesto. A confusão reside no fato de que há muito tempo a banda não aborda temas desse tipo, mas eles sempre existiram na discografia, em vários momentos diferentes.

Segue uma lista das letras “políticas” da banda e sua motivação:

Market Square Heroes

Sim, a primeira música da banda é de conteúdo político. A letra foi escrita como um protesto contra o pesado desemprego na Inglaterra no período 1980/81, quando aconteceream vários tumultos e protestos nas ruas do país.

White Feather

Apesar de não deixar claro onde esta o protesto, a letra de “White Feather” mostra um personagem que chama às massas para lutar contra “intrigas e mentiras políticas”. A letra faz menção a 1981 (mesmo escrita em 1986), menção quase certa as protestos da época descritos em “Market Square Heroes”.

White Russian

Descreve um personagem (Torch, o personagem/narrador do Clutching at Straws inteiro) em viagem para a Áustria, país que na época tinha acabado de eleger Kurt Waldheim como presidente. Kurt tinha fortes laços com o regime nazista nos anos 40 e é forte suspeito de crimes de guerra. Sua eleição coincidiu com a ascenção do neonazismo na Europa.

King of Sunset Town

Fala sobre o massacre da Praça Tianenmen, na China, em 1989. Já expliquei todo o contexto da letra em mais detalhes em um post sobre a canção.

Segurem-se, pois o Seasons End é o disco mais politizado da banda. Vem mais letras por aí…

Easter

Muitas pessoas já devem ter uma boa idéia sobre o conteúdo dessa canção, visto que o Hogarth sempre o traz quando vai apresentá-la. Ele nega que seja canção política, preferindo dizer que é uma canção de amor dedicada ao povo irlandês, mas é inegável a carga crítica contra o Exército Republicano Irlandês (IRA), em sua luta para se separar do Reino Unido, via ataques terroristas.

Vale lembrar que hoje o Reino Unido está sob tratado de paz, e o IRA está atrás de seus objetivos por meios políticos.

Seasons End

Um pouco mais de leve no tema político, e mais no tem ambiental, mas a letra trata com os efeitos do aquecimento global. Quase não coloquei essa canção aqui, mas considerando que ela foi escrita após as Conferências Climáticas de 1998 no Rio de Janeiro, acho que é um pano de fundo político o suficiente para esta aqui.

Holloway Girl

Trata das condições preárias de prisioneiras no presídio feminino na cidade de Holloway, especialmente casos que chamam a atenção: mulheres com problemas mentais encarceradas em um presídio comum e não em uma instituição, mulheres presas por pequenos furtos. Enfim, bem parecido com o que vemos aqui no Brasil…

Anúncios

Uma resposta para “[Semana STCBM] Política e Marillion

  1. Pingback: Sounds That Can’t Be Made por 1 semana! | Script For Happiness·

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s